Documentos da Igreja - Encontro 09

No encontro de estudos número 9, tratamos sobre a situação econômica da América Latina e Caribe apresentado no Documento de Aparecida.

Apresento um resumo do assunto abordados dos parágrafos 60 ao 73.


O Papa (Bento XVI), em seu Discurso Inaugural, vê a globalização como um fenômeno de 'relações de nível planetário', considerando-o 'uma conquista da família humana', porque favorece o acesso a novas tecnologias, mercados e finanças. […] Por isso, Bento XVI enfatiza que 'como em todos os campos da atividade humana, a globalização deve reger-se também pela ética, colocando tudo a serviço da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus.

A globalização é um fenômeno complexo que possui diversas dimensões (econômicas, políticas, culturais, comunicacionais, etc). […]. Lamentavelmente, a face mais difundida e de êxito da globalização é sua dimensão econômica, que se sobrepõe às outras dimensões da vida humana e as condiciona. […]. A globalização, tal como está configurada atualmente, não é capaz de interpretar e reagir em função de valores objetivos que se encontram além do mercado. […].

Conduzida por uma tendência que privilegia o lucro e estimula a concorrência, a globalização segue uma dinâmica de concentração de poder e de riqueza em mãos de poucos. […]. O que existe hoje é a pobreza de conhecimento e do uso e acesso a elas.

[…] corre-se o risco de que as economias de escala dos grandes consórcios termine por se impor como única forma determinante do dinamismo econômico.


Por isso, frente a essa forma de globalização, sentimos forte chamado para promover uma globalização diferente, que esteja marcada pela solidariedade, pela justiça e pelo respeito aos direitos humanos, fazendo da América Latina e do Caribe não só o continente da esperança, mas também o Continente do amor, como propôs SS. Bento XVI no discurso Inaugural desta Conferência.

[…] Já não se trata simplesmente do fenômeno da exploração e opressão, mas de algo novo: a exclusão social. […] Os excluídos não são somente 'explorados, mas 'supérfluos' e 'descartáveis'.

[…] As possibilidades e eventuais problemas da produção de agrocombustíveis devem ser estudadas, de tal maneira que prevaleça o valor da pessoa humana e de suas necessidades de sobrevivência. A América Latina possui os aquíferos mais abundantes do planeta, junto com grandes extensões de florestas, que são pulmões da humanidade. […]

A globalização tem celebrado frequentes Tratados de Livre Comércio entre países com economias assimétricas, que nem sempre beneficiam os países mais pobres. […]

[…] No entanto, segundo a Doutrina Social da Igreja, 'o objeto da economia é a formação da riqueza e seu incremento progressivo, em termos não só quantitativos, mas qualitativos: tudo é moralmente correto se está orientado para o desenvolvimento global e solidário do homem e da sociedade na qual vive e trabalha. […] a pura acumulação, ainda que para o bem comum, não é condição suficiente para a realização de uma autêntica felicidade humana. […

A população economicamente ativa da região é afetada pelo subemprego (42%) e pelo desemprego (9%), e quase a metade está empregada no trabalho informal. […]. Por outro lado, é possível destacar fenômenos positivos e criativos para enfrentar tal situação por parte dos afetados, que vêm estimulando diversas experiências, como por exemplo micro-finanças, economia local e solidária e comércio justo. […].”


Observações sobre o encontro.


Conforme o estudo avança, mais notamos o quão distanciados das realidades locais, estaduais, nacionais e do contexto mundial estamos.

Ouvimos ataques e defesas quanto á questão da globalização, sem nos darmos conta do que ela significa na sua realidade e totalidade. A leitura e discussão destes temas abordados no Documento, está nos levando a um novo olhar.

Claro está que não estamos ainda entendendo o contexto e nem apresentando soluções, mas estamos caminhando, para, passo a passo, buscarmos ver os acontecimentos que nos envolvem de um modo mais claro e, o mais importante, sabendo qual a posição da Igreja sobre estas questões, o que permite entender melhor sua doutrina, suas defesas e o porquê de suas denúncias.



Comments